Com a queda histórica dos juros (Selic a 2,25% ao ano) e com chances de despencar ainda mais, fazer o dinheiro trabalhar por você ficou difícil e exige tomar riscos. Dessa maneira, para a elaboração de um projeto de investimentos é importante adequar os ativos da carteira aos seus objetivos e perfil de risco. Por exemplo, você necessita do seu dinheiro rapidamente ou pode aguardar mais em busca de maiores retornos? Veja nesse artigo os principais pontos de atenção que são precisos antes de elaborar sua carteira e quais os investimentos favoráveis para você.   

Investimento para curto prazo deve ser cauteloso

O mais apropriado é adotar um investimento de baixo risco e de resgate rápido, pelo motivo de: se você necessita do dinheiro em um tempo curto, não pode correr riscos e submeter-se da variação do mercado.  

Para a chamada conhecida como “reserva emergencial”, algumas plataformas digitais disponibilizam fundos de renda fixa simples (DI). São opções seguras, com resgate no mesmo dia e rentabilidade próxima a 100% do CDI.  

Investir a curto ou a longo prazo? Saiba quais são os investimentos adequados!

É sugerido ter, no minimo, o valor próximo a seis vezes os seus gastos mensais em aplicações como essa. Além de ser a parcela moderada do portfólio.  

Após elaborar sua reserva emergencial, pode-se ampliar a carteira com ativos de risco   

Com os juros baixos em nossa economia, é interessante variar o portfólio com ativos de risco em busca de retornos superiores ao CDI.  

Ações, fundos imobiliários e multimercados são alguns exemplos para quem prefere investir a médio e longo prazos. São ações que necessitam de maior preparação e orientação do cenário econômico. 

Independente do vencimento, é fundamental variar e balancear a carteira  

O importante é sempre discernir sua carteira de investimentos com ativos de renda fixa e diversificar os pesos de cada ativo de conforme o cenário do mercado.  

Sendo assim, essa medida não só assegura a reserva emergencial e as opções de resgate rápido, como proporciona o crescimento do patrimônio com ativos de risco.  

Portanto, é curioso também ter uma parte do seu dinheiro em ativos que auxiliam a proteção da sua carteira, como o dólar. A moeda americana tende a se valorizar frente ao real em cenários prejudiciais. Uma vez que não entendemos quando um evento negativo poderá acontecer, acrescentar seguros no portfólio proporciona ao investidor ter posições maiores em ativos de risco.   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.